Destaques

Palestras, Debates, Workshop e Cara a Cara Palestrantes Welcome Coffee, Brunch, Coffee-Break e Quitutes Feira de Livros e Sessões de Autógrafos Nossa jornada acontece na cidade de São Paulo
 

28 de jan de 2013

Sorteio: Tutoria e Interação em Educação a Distância

Mais um sorteio promovido pela III Jornada Educação a Distância: o futuro da arte.

Desta vez será sorteado 1 exemplar do livro Tutoria e Interação em Educação a Distância (Cengage Learning), da autoria de João Mattar.


Tutor é um personagem recente na história da educação brasileira. Institucionalizou-se não só na educação pública na Universidade Aberta do Brasil, como também em instituições de ensino superior privadas e na Educação a Distância (EaD) profissional e corporativa.

Esta obra tem como objetivo reinterpretar a atuação do tutor como docente e, simultaneamente, oferecer subsídios para o trabalho do professor em EaD. Para isso, o texto apresenta uma reflexão sobre a atuação desse profissional e o suporte para desenvolver atividades com qualidade e criatividade.

Ao longo do texto o leitor terá acesso a tópicos como conectivismo, ambientes virtuais de aprendizagem (Moodle), plataformas da web 2.0 e redes sociais, atividades síncronas e assíncronas e outros. Tutoria e Interação em Educação a Distância, além de ser uma ferramenta útil para quem tem interesse em conhecer o mundo da EaD, traz um material de reflexão e prática sobre uma atividade essencial na EaD: a mediação pedagógica.

SORTEIO

As regras deste sorteio são as seguintes:

1. Responda livremente à pergunta "Tutor é Professor?" aqui mesmo no blog, nos comentários.

2. Cada comentário será considerado um número (o primeiro comentário será considerado o número 1, o segundo comentário o número 2 e assim por diante).

3. Para o sorteio, só será considerado o seu primeiro comentário.

4. Na quinta-feira, 31/01, às 18 horas, será realizado o sorteio através da plataforma Sorteador e o resultado será postado aqui no blog.

Então, repetindo a pergunta:

"Tutor é Professor?"

Boa sorte!

53 comentários:

  1. Sim, ele é professor, pois o mesmo está a frente de uma turma e procura o melhor meio didático de estar compartilhando o conteúdo a ser ensinado.

    ResponderExcluir
  2. Não. O Professor é quem domina o conhecimento específico. Não depende apenas de uma simples reprodução dos conteúdos. O tutor tem a função de facilitar, cobrar, etc. Mas não pode fazer nada fora da estrutura do curso. Ele é quase um administrador de turma ou turmas. Muitas vezes o tutor não tem a formação específica de que necessita o aluno. Alguns casos como: disciplinas de exatas e o tutor formado em pedagogia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. administrador de turma???????????? ora essa, o tal professor que se fiz professor e nunca vai a plataforma é que é um administrador. e indiferente ao processo. kkk

      Excluir
  3. O Tutor é um mediador, ele instiga o alunos no seu processo de aprendizagem, faz a mediação entre o conteúdo, o alunos, os outros alunos e a autoaprendizagem de maneira a desenvolver a autonomia do alunos. Para ser tutor é preciso que o professor desenvolva uma nova forma de ensinar, mudando antigos paradigmas.

    ResponderExcluir
  4. O tutor é ao mesmo tempo professor, educador e tutor.
    O professor se revela ao ajudar o aluno a ser criativo e crítico nas experiências já vivenciadas.
    O Educador induz os alunos a serem autônomos.
    O tutor é uma mescla dos dois papeis, pois é ele quem estrutura os componentes de estudo, estimulando, orientando e provocando os aprendizes a construir o seu próprio saber partindo do princípio que não existe nada "pronto", cada um pode deixar a sua marca pessoal em uma aprendizagem já conhecida.

    ResponderExcluir
  5. Sim, o tutor é um professor, desde que atue como tal. Ele deve ter formação de professor e estar a par daquele currículo. A possibilidade de nao poder agir na estrutura do curso nao o impossibilita de ser como tal. Muitos professores , ou os que se dizem professores, aceitam um currículo imposto por instituições e por muitas vezes se dizem ensinar em disciplinas que mal conhecem só por cobrir a carga horaria estipulada , sendo assim eles nao agem nem no currículo e aceitam as demandas das universidades para completar carga horaria. Desta forma se os professores nao podem interferir no currículo e nas disciplinas as quais se diz específicas , porque dizem que o tutor por nao mexer na estrutura do curso naoé professor? O tutor nao é professor unicamente pela via da legislação trabalhista e dos desmandos do MEC e universidades que aceitam essa forma abusiva para com seus colegas professores.

    ResponderExcluir
  6. Sim, o tutor é professor. Em determinados cursos participa da elaboração do material, mas mesmo nos casos que recebe o material pronto é o tutor que tem que mediar o processo de aprendizagem do estudante. Não é por acaso que nos processos de seleção exigem experiência docente.

    ResponderExcluir
  7. Certamente é um(a) educador(a), mas não é um(a) professor(a)...ele atua na aprendizagem, ou seja, como já disse alguém, na mediação entre o professor, os objetos didáticos de aprendizagem e o contexto de saberes de cada aluno(a).

    ResponderExcluir
  8. Sim. Ao interagir e conduzir o aprendizado do aluno, ele precisa conhecer e se dedicar como um professor. Por isso, deve estar preparado e atualizado sempre.

    ResponderExcluir
  9. Sim. O professor-tutor é o mediador do processo de ensinoaprendizagem da Educação Online. Este para atuar neste campo da EAD precisa apresentar uma formação adequada a disciplina, curso pretendido. Por exemplo, sou graduada em pedagogia com algumas especializações em educação estes títulos e o meu perfil de usuária das tecnologias digitais me possibilitaram atuar em diferentes universidades nos cursos da modalidade EAD.
    Reconheço que haja discriminação salarial nos lugares que conheço, devido aos interesses econômicos das instituições públicas e privadas. Para algumas o professor-tutor precisa apresentar os conhecimentos necessários a sua área e disciplina, sem ter experiência e domínio das tecnologias digitais. Contudo, este domínio de ambientes online se adquiri com o tempo de uso, vivência no próprio AVA, conforme sabemos. Há períodos de ambientação para isto.
    Além destas comprovações curriculares e atualização do C Lattes realizamos trabalhos de produção e revisão de material didático, orientação de monografia, encontros presenciais onde também há aulas, palestras, elaboramos e corrigimos avaliações, mediamos o processo de ensinoaprendizagem dos alunos entre outras atribuições.
    Há uma coordenação às vezes por disciplina, outras de curso que não tem como dar conta do quantitativo de demandas pedagógicas e por aluno, portanto acabamos por compartilhar uma série de funções que qualquer um não saberia fazer por não ter o conhecimento técnico de determinada área do conhecimento, ou mesmo uma pedagogia adequada.
    Todavia, como em tudo na vida, há qualificações entre as instituições, cursos, mediadores etc. Algumas exigem a formação profissional adequada outras nem tanto, investem em formação "tecnológica" (com muitas aspas) de suas equipes no que concerne ao conhecimento do ambiente online, (re)captura do aluno, encontros presenciais e outras até tem o tutor, mas trabalham nestes ambientes digitais com uma concepção pedagógica da escola tradicional das modalidades presencial e EAD sustentadas na educação "bancária" e no autodidatismo de seus alunos, conferindo aos ambientes online a função de repositório; onde o aluno faz o download de suas lições e envia suas tarefas individuais, sem ao menos dialogar com seus pares e o próprio professor-tutor sobre suas reflexões, questões do assunto estudado. Estas tem uma tendência a investir na potência do material didático quase sempre orientado a impressão dos textos. Um perspectiva nada sustentável, não acha!?
    Considerando-se a convergência das hipermídias e na (co)criação das possibilidades de dialogicidade em interfaces cada vez mais intuitivas e inteligentes, onde tudo se (re)conecta a todo instante desde que o polo de emisão foi liberado e a informação segue um fluxo de transmissão bidirecional, de forma ubíqua, viabiliza a interatividade em diferentes níveis, considero aqui os ambientes de simulação online, onde o residente vivencia situações de aprendizagem aberta sem ficar preso a métodos, padrões, pedagogias já formatadas para outros ambientes e situações de aprendizagem.
    Concluindo, o professor-tutor também chamado de apenas tutor, Orientador Acadêmico ou qualquer outro nome que administrativamente não implique em sua contratação como docente. Ainda que os aspectos legais sejam questionáveis...
    Importante considerar toda a inteligência emocional que existe nos ambientes online seja nas expressões das usuais carinhas, na simplicidade e/ou complexidade dos textos, na interface do próprio AVA, na postura corporal de um avatar entre outras, dependendo da estrutura tecnológica de cada ambiente online de aprendizagem. Ciberabraços,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Alice.
      Sim o tutor pode ser um professor. Mas o que se verifica é um abuso das instituições recrutando profissionais não qualificados para determinadas disciplinas. Veja link abaixo, do SIMPRO-RS, sobre os problemas do EAD. Veja uma instituição do PR que tem 22.000 alunos apenas no curso de pedagogia distribuídos em 469 polos em todo o Brasil. Os salários pagos são muito baixos. Poucos se candidatam. Assim, as instituições que oferecem cursos fast-food não tem condições de pagar bons salários. Disso resulta que os bons e mais qualificados professores não aceitarão estas condições. Imaginemos um curso de exatas espalhado pelo Brasil? Não existe profissional suficientemente qualificado para ser um tutor presencial. Quando existe um tutor on-line este não tem condições de atender bem os alunos, pois são muitos. Não estou falando de boas instituições onde a qualidade no atendimento é satisfatória. Mas a grande maioria dos cursos a distância cobram barato e e fingem que dão bom atendimento. O aluno consegue um diploma.
      Se o tutor domina a disciplina e tem autonomia para redirecionar o aluno para algum conhecimento específico, por causa da deficiência do aluno, detectado pelo Tutor, então não existe prejuízo algum ao aluno. Sabemos que um aluno do norte, sudeste e sul, têm formações diferentes. Etc.
      http://www.sinprors.org.br/extraclasse/ago12/educacao.asp

      Excluir
    2. Concordo Vitor. A intenção de reduzir os custo utilizando como referência uma pedagogia tradicional para cursos em ambientes online e a histórica desvalorização do professor no Brasil com toda a complexidade que o saberrfazer pedagógico implica para tentar dar conta de uma massa populacional bastante diversificada, mas que ainda acredita na escola, na educação para a construção de novas e melhores condições de vida são os principais fatores para todo esse caos que envolve a educação brasileira, para além da EAD.
      Veja bem, minha intenção não é desqualificar a pedagogia tradicional, quem sou eu para isto!? Contudo, apostar numa transposição didática como em outras resoluções imediatista que marcaram a nossa história nos fez cooperar para a desvalorização profissional dos professores.
      Ao invés de encontrar na Educação Online mais uma possibilidade de docência numa perspectiva de valorização e incentivo a formação acadêmica acabamos desviando do caminho, mas fóruns, pesquisas e mobilizações como a que fazemos colaboram para a retomada destas e outras questões da complexa arte de educar no século XXI e também questionam outras práxis pedagógicas existentes que não satisfazem a formação humana, pois sempre encontramos possibilidades de fazer diferente.
      Com a emergência das discussões sobre as questões da diversidade dentrofora do ambiente educacional formal cada vez mais vimos a complexidade de se trabalhar com vários contextos simultaneamente dentro de uma mesma turma com alunos de regiões muito diferentes, mas que se intensificam nos ambientes online contribuindo para uma inteligência coletiva brasileira.
      Os usos sociais das tecnologias digitais potencializaram o conceito de rede e questionaram os modos de produção, consumo etc e da mesma forma acontece na educação. Sabemos que o processo de ensinoaprendizagem acontece o tempo todo em nossa vida, mas como se constituir uma docência para a realidade contemporânea? Até que ponto qualquer profissional pode se investir da docência online? O que fazer com os cursos de licenciatura?
      Como em outras áreas essa ressignificação aconteceu e assim se desenvolve o mundo, na educação precisa se autorizar mais e questionar suas práxis com as tecnologias digitais que também colaboram para transformações no papel dos alunos e professores. Estamos mais próximos uns dos outros, através das interfaces digitais podemos avançar mais e mais.
      Sou professora tanto no ensino fundamental como no superior, em aulas presenciais e a distânica. Vivemos a intensificação do online o tempo todo num processo dialógico que agora conta com o polo de emissão aberto para todos.
      As situações de caos, abusos, desvalorização ainda que ocorram cabe a todos nós ora alunos, ora professores provocarmos uns aos outros, nos mobilizarmos de forma inteligente transformando o caos em uma nova ordem para que aconteçam outros caos que dão lugar a novos paradigmas e implicações de forma plástica tecemos tudo isto a cada dia. Ciberabs

      Excluir
  10. Com certeza!! Tutor é professor!! Dizer que tutor não é professor é querer diminuir seu papel,arranjar uma desculpa para desqualificá-lo e baixar os custos na EaD. O tutor para mediar o processo de ensino-aprendizagem precisa ser qualificado para tal. Precisa conhecer o conteúdo que está sendo sendo ensinado para mediar com propriedade,argumentando com o aluno, questionando se necessário, sabendo exatamente o que faz. Caso contrário, ele não passará de um reprodutor daquilo que foi determinado pelo professor, isto é, se o aluno não responder exatamente o que está escrito no referencial de respostas, ele dirá que a resposta do aluno está errada e isto não é mediar a aprendizagem. Não é isso que nós queremos de um curso a distância, isto não é EaD de qualidade. Tutor é e precisa ser professor!!!

    ResponderExcluir
  11. Olá :-)

    Eu acredito que a resposta é "sim, o tutor é também um professor".

    O tutor tem papel fundamental no desenvolvimento de um curso na modalidade online. Ele é não apenas aquele que domina o conteúdo, mas também aquele que acompanha o processo de aprendizagem do aluno, que faz a ponte entre o conteúdo apresentado e os aprendizes, que incentiva a participação, que cria oportunidades de aprendizagem colaborativa.

    A concretização de um modelo de educação pautado na interatividade exige do professor/tutor uma nova postura em relação ao processo de ensino-aprendizagem. Entre outras coisas, é necessário que ele reconheça seu papel de co-autor na construção do conhecimento, em oposição ao papel que tradicionalmente ocupava de “detentor” de um conhecimento-verdade a ser transmitido aos alunos. Por isso mesmo, é importante que ele proponha verdadeiros desafios aos alunos, desafios estes que incentivem o exercício da criatividade e não apenas exijam respostas mecânicas.

    Abs a todos! :-)

    ResponderExcluir
  12. Tutor é um mediador do conhecimento, assim como o professor, porém ele tem o papel de auxiliar o professor em atividades EAD.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Carine,
      Enquanto docente essas colaborações podem variar bastante sob diversos aspectos, mas quem era o tutor do século VII a. C. da escola greco-romana?

      Veja o que diz Leydervan (2009), sobre a educação de meninos, a construção da Paidéia: "O dia de uma criança grega
      Ao amanhecer, com a ajuda do pedagogo e sua
      lanterna, o rapaz acordava, lavava-se e vestia-se.
      Alimentava-se e era acompanhado pelo pedagogo
      à palestra, para aprender música e ginástica.
      Tomava banho, regressava ao lar e almoçava.
      À tarde regressava novamente à palestra para as
      lições de leitura e de escrita;
      De regresso a casa, e sempre acompanhado pelo
      pedagogo, o rapaz estudava as suas lições, fazia
      os trabalhos de casa, jantava e ia deitar-se.
      As práticas educacionais para cada idade
      Em geral, até aos sete anos, as crianças eram
      educadas no gineceu, na companhia da mãe
      e das outras mulheres da casa. Depois dessa
      idade, as raparigas continuavam em casa, onde
      aprendiam os trabalhos domésticos e música.
      Os rapazes, entre os 7 e os 14 anos, em geral, aprendiam música e ginástica.
      Aproximadamente com 16 anos de idade, os rapazes fi cavam livres dos cuidados do pedagogo
      e involtada para a harmonia do corpo e do espírito. Após as atividades físicas, os jovens
      caminhavam pelos jardins aprendendo, dialogando com os mais velhos.
      Depois dos 20 anos, o jovem tinha dois anos de preparação militar, fi nda a qual se
      tornava cidadão."

      Será que nos dias atuais não estamos distanciando muito o professor de sua função? Encontrando um meio termo para continuar desvalorizando a formação acadêmica que já está bastante comprometida?

      Para Leydervan (2009), "O modelo de ensino e de escola ocidental é mais uma das heranças greco-romanas e que, particularmente, não recebeu desde então expressivas contribuições."
      Na Educação Online há uma hierarquia acadêmica que conta com profissionais de mesmo nível de qualificação em funções diferenciadas numa política de contenção de despesas e educação em massa. Ciberabraços,

      Excluir

  13. Essa é uma pergunta que gera outra: o que é ser professor?
    Se o professor não está no centro do ensino-aprendizagem, sendo o mediador no processo de construção do conhecimento, o tutor, pela proximidade dos objetivos da função, pode ser considerado um professor sim. As diferenças estruturais e de elaboração de conteúdo são diferenças que se mantém mas não o excluem do papel de educador, visto que nem todo planejador de e-learning é professor.

    ResponderExcluir
  14. Não necessariamente, haja vista que o tutor é o profissional de referência no acompanhamento durante o curso, relacionando-se e com as interações com seus alunos no ambiente virtual. O professor em seu trabalho presencial, algumas vezes, não dispõe de um relacionamento, salvo em sala de aula.
    Ao tutor incumbe seguir o aluno em um "estar junto virtual" no desenvolvimento das atividades, na mediação das discussões, no esclarecimento das dúvidas sobre o conteúdo e/ou na utilização da plataforma, competindo-lhe a correção das avaliações e o registro das notas e resultados.
    Com isso, comparar tutor e professor, corre-se o risco de fazer do tutor mero expectador da aprendizagem, porque em EAD admitem-se dinâmicas estranhas ao cotidiano do professor,
    Abraço virtual do Luis Fernando

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. nao necessariamente? ora, pelo q vc fala o tutor ( péssimo nome) é quase um monitor..
      Dinamicas estranhas? ora, , ora

      Excluir
    2. Perdão, mas respeito a opinião de todos e, corroboro com o posicionamento da "Educação online" que permite reflexão sobre minhas ideias, abraço virtual do Luis Fernando (tutor e professor há mais de 35 anos!)

      Excluir
  15. O Tutor é um Professor, sim. E além de todas as atribuições que lhe são atribuídas para acompanhamento, orientação, feedback, mediação etc, o Professor-tutor precisa ter maior autonomia e assumir também o planejamento da Disciplina, elaborar atividades, avaliar enfim, assumir o papel de docente. Claro que acompanhado pela remuneração coerente.

    ResponderExcluir
  16. Olá a todas(os)!!! Que pergunta interessante. Tutor não é professor em virtude de notadamente em Educação a distância ele fazer parte do trabalho de um professor, por exemplo o de interagir com o educando normalmente para o esclarecimento de dúvidas. Contudo não é o tutor planeja a disciplina, para isso contrata-se normalmente um professor conteudista ou usa-se simplesmente o termo conteudista. Essa divisão de trabalho é muito questionada em virtude de representar a divisão do saber e do fazer. Pode-se dizer que caracteriza-se por uma concepção taylorista e fordista.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá,
      A criação, remixagem e distribuição dos recursos educacionais abertos REA's vem colaborar com essa produção de material didático como acontece em alguns estados do Brasil que estão disponibilizando seus ambientes online de forma aberta num contexto de democratização do acesso a informação e a formação.
      A pedagogia está em mediar esse processo de reflexão e construção de conhecimentos e saberes cotidianos. Em ambientes de educação formal principalmente o professor deve vivenciar essas relações visando a investigação de sua própria prática. Ciberabs

      Excluir
    2. Então educacaoon line, Vou reescrever as tuas palavras a meu modo, vejamos como fica a lógica!
      Tutor é professor em virtude De notadamente na Educacao a distancia Ele faz o trabalho de um professor , por exemplo o de interagir com o educando normalmente para esclarecimento de duvidas . Contudo apesar de nao planejar a disciplia , contrata-se um professor conteudista .....
      Que tal?

      Excluir
    3. Salvo engano, vc iniciou e depois misturou conceitos , o conceitos no final..aí, kaput!

      Excluir
  17. Importante saleientar que questões de remuneração, salário e também da profissão docente também definem que o tutor não é um professor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quer dizer q o que define um professor é a grana? Todos estao mal então!

      Excluir
  18. Acho que a resposta pode ser sim e nao...O tutor pode ser o professor, mas sabemos que existem casos em que este não é e outro profissional assume a parte de mediação do curso.

    ResponderExcluir
  19. Tutor é professor pois ensina também (sobre a base do conteúdo do curso) mas também cuidando que tudo aconteça como deve ser. Além disso é mediador, cuidador, incentivador, "a alma" que leva o aluno pelo camninho necessário para poder finalizar seu curso. Sem um bom tutor não existe um bom curso, por muito bom que seja o professor principal.

    ResponderExcluir
  20. Acabei de ler artigo do Prof. Márcio Silveira Lemgruber, postado no Twitter pelo Prof. Mattar.
    Os problemas em EAD e sobre professor-tutor.
    A EAD realmente veio para ficar.
    Mas, muita coisa terá que melhorar.
    http://portal.mec.gov.br/arquivos/conferencia/documentos/marcio_lemgruber.pdf

    ResponderExcluir
  21. Não, na minha visão, o papel do tutor é dentre outros o de incentivador e orientador o porto seguro! Lembrando que o EAD requer muito mais do aprendiz que o presencial.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. então na sua opinião instrução basta???

      Excluir
  22. De maneira apenas a complementar afirmação do Professor Matias Gonzalez de Souza, o tutor para ter êxito em suas atividades de ter capacidade de atingir os objetivos estabelecidos, analisando e estabelecendo prioridades, executando o planejamento com flexibilidade, usando o tempo racionalmente, agindo de acordo com os princípios da instituição de ensino, bem como com as normas de condutas docentes.
    Ainda em relação a sua competência, ter habilidade para produzir resultados em grupo, compartilhando ações/decisões, de maneira harmoniosa e ser colaborador nato ao identificar necessidades de apoio. Se capaz de estruturar pensamentos reflexivos em seus alunos, a fim de estimular o aprendizado do aluno e os resultados, dentro dos padrões de qualidade esperados. Expressar se de forma clara e objetiva, independente do ambiente, modalidade de ensino, como também, com os colegas de trabalho, visando à compreensão de suas ideias e sempre interagir de forma construtiva, respeitando suas opiniões e as diferenças individuais.
    Lembro-me de um exemplo real, de uma disciplina ministrada na modalidade presencial, onde o professor, numa maneira de complementar o conteúdo, utilizou da plataforma Moodle e abrir um fórum de discussão, ficando evidente que esta atividade assíncrona interagiu muito mais do que do que esperado, passando a ter uma interação maior nas aulas presenciais posteriores.
    Também posso citar o texto de Luis Augusto Nery Barreto, onde relata que professores presenciais estão utilizando o fórum como instrumento de avaliação de aprendizagem, vez que possibilita o acompanhamento individual do aluno, de modo a complementar e proporcionar uma melhora significativa do rendimento do aluno.
    Vale ressaltar que citei um exemplo de tutoria bimodal, ou seja, semipresencial, o que poderá surgir dúvidas porque exemplifiquei titulando professor e não tutor, concordando o entendimento do Professor João Mattar, não existe diferença entre um e outro.

    ResponderExcluir
  23. Sim e não. O tutor tem um papel muito importante e delicado nos processos que envolvem a aprendizagem do aluno. É ele quem acompanha o aluno em todo o caminho que dure um curso, seja de curta, média ou longa duração.
    Proporciona a mediação do aluno com as ferramentas que envolvem o ambiente do curso, e mesmo que a distáncia, constitui-se como papel do tutor facilitar o domínio do aluno com estes recursos. Também, tem grande parcela de contribuições entre o conhecimento que será apresentado no curso e a construção de conceitos dos alunos.
    O curso a distância, apesar de sua característica diferenciada que proporciona ao aluno o estudo individualizado, não deve ser um veículo de construção de conceitos sem debate.Neste ponto é a figura do tutor quem deve, com base nas informaçóes levantadas sobre os limites e ritmos de cada aluno, planejar linhas de ações que propiciem junto ao grupo um ambiente de participação, de debates e de aprendizagem.
    Acredito que o tutor deve agir em parceria com o professor da disciplina ou curso e assumir, junto a esta parceria, um papel de educador, de personagem ativo entre alunos, professores, ambiente e o conhecimento.
    Tutor é educador.
    Maurem Abreu

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ent~qao o "professor"não é um educador??

      Excluir
  24. Sim. Um bom tutor torna-se um professor. O professor-tutor é o mediador do processo de ensino-aprendizagem da Educação Online.`Para atuar na EAD é necessário graduação e conhecimentos sobre as tecnologias educacionais. O tutor deve ter um grande conhecimento sobre os recursos digitais e grande experiência para instigar os alunos. O trabalho com vídeos, textos, blogs e artigos contribuem para uma aula mais dinâmica, otimizando os recursos da educação a distância. Ele é um tutor pois vai acompanhar o aluno no processo de aprendizagem. Ele é um professor poque vai acompanhar o crescimento do aluno e fazê-lo refletir sobre os temas abordados.

    ResponderExcluir
  25. Certamente é um(a) professor-tutor(a), ele atua na aprendizagem, trabalha na mediação entre o professor, os objetos didáticos de aprendizagem e o contexto de saberes de cada aluno(a), porem um excelente tutor torna-se um bom professor, pois o mesmo estar acompanhando o crescimento do aluno.

    ResponderExcluir
  26. Não necessariamente o tutor em um curso de EAD é um professor na concepção da palavra. Mas no contexto do curso ele é um professor pois é ele que gerencia as atividades, os fóruns e intervem nas discussões. Um professor nem sempre é um tutor mas um tutor não deixa de ser professor no contexto do curso.

    ResponderExcluir
  27. Sim, o tutor é um professor. Na EaD temos o especialista conteudista que irá elaborar as apostilas e o tutor que tem como responsabilidade apresentar ao aluno esse conteúdo. Se analisarmos bem, o tutor tem o mesmo papel do professor em sala de aula que é estabelecer uma comunicação com o aluno, estimulá-lo a aprender, facilitar o processo de ambientação.O tutor tem um papel muito importante na EaD, pois sua ação é que faz com que o aluno permaneça ou não nos cursos a distância.

    ResponderExcluir
  28. Maria Aparecida Silva Alves
    Na minha opinião o tutor não é um professor. Ele é um mediador entre o aluno e o conteúdo que este tomará conhecimento e é um mediador entre o aluno e o professor. Deverá estar atento às necessidades dos estudantes, motivar não só a participação em chats, fórum, vídeo-conferência mas estar atendo às mudanças comportamentais que eles possam apresentar. Em alguns modelos de tutoria o tutor e professor da disciplina é a mesma pessoa em outros modelos o professor elabora a disciplina com o livro texto, ou não, com textos complementares, atividades, fórum, provas e o tutor é realmente quem "toca" a disciplina. Reconheço que em alguns cursos professor e tutor não têm o menor conhecimento de didática, prática de ensino e menos ainda conhecimento sobre as teorias de aprendizagem o que dificulta bastante o trabalho de ambos.
    Também reconheço que muitos tutores atuam de forma exemplar e não fossem eles alguns de seus "alunos" não terminariam os cursos mas isso não o torna professor da forma como temos hoje este institucionalizado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas em novas instancias , o que vc chama de mediador , no caso o tutor, faz parte da pedagogia e didatica do novo professor, ou seja , deixar o lugar de sujeito suposto saber!!!!!!!!!!!!!!!
      descer da ed. bancaria, abrir a porta da caverna para os alunos, deixar a oralidade que é um habito da id mëdia..

      Excluir
  29. Segundo o dicionário a palavra professor significa: Aquele que professa ou ensina.Portanto posso considerar que o tutor é um professor, uma vez que este acompanha e interage com seus alunos. além de planejar sua postagens, visando aprendizagem e crescimentos destes.

    Daiane M.

    ResponderExcluir
  30. Sim, o tutor é professor. Além das funções docentes, ele precisa conhecer as novas tecnologias educacionais e utilizá-las em prol de um ensino mais criativo e estimulante.

    ResponderExcluir
  31. Sim, o tutor é professor, pois é ele quem media o processo de ensino e aprendizagem, orientando os seus alunos a percorrerem os caminhos necessários a conclusão do curso.

    ResponderExcluir
  32. Sim, professor = tutor. Concordo que dependa do modelo e do posiciomento de um de outro. Porém, se o tutor conhece o conteúdo (como bom estudioso), acompanha o aluno em seu processo de ensino e de aprendizagem, promove a interação e colobação entre os envolvidos no processo, enfim faz a mediação no ambiente, seja este a distância, via platadorma virtual, ou presencial em uma sala de apoio distânte, SIM TUTOR É PROFESSOR!

    ResponderExcluir
  33. Sim, um tutor é um professor. Sua atuação está na mediação entre o conheciento e os alunos, ou seja, a mesma função que, a priori, deve ser do professor presencial. Existe apenas uma questão do ambiente de aprendizagem que estamos nos referindo, ou seja, presencial ou não. Muito embora, também encontremos tutores presenciais. Acredito que a nomenclatura está mais relacionada às questões legais (salários, números de alunos atendidos, formação profissional, etc.) do que com a função desempenhada. Sabemos que os tutores são explorados no sistema de ensino a distância, no qual são tratados, geralmente, como bolsistas e não como profissionais (professores). Ainda há muita coisa a se mudar na educação, pricipalmente, no que diz respeito às nomenclaturas que são criadas para se definir novos formatos ou novas atitudes no processo educacional.

    ResponderExcluir
  34. Tutor é mais que um professor, por estar distante dos alunos ele tem que ter a sensibilidade de entender a linguagem do silêncio e da distância.

    Ser tutor é estar disponível para transformações pessoais e profissionais que as tecnologias exigem.

    ResponderExcluir
  35. Sorteio número 28 http://www.sorteador.com.br/arquivo.php?consulta=112823

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O vencedor foi o Gustavo, parabéns! Por favor, Gustavo, envie um email para artesanatoeducacional@gmail.com para combinarmos a entrega do livro.

      Excluir
  36. Parabéns Gustavo! Com um comentário foi sorteado pelo sistema. Muito bom.
    Aos demais interlocutores obrigada pela conversa. Ciberabraços,

    ResponderExcluir